Textos para Alfabetização

Textos para Alfabetização

MEU CORPO

EU TENHO DOIS OLHOS
QUE SÃO PARA VER.
EU TENHO UM NARIZ
QUE É BOM PARA CHEIRAR.
EU TENHO UMA BOCA
QUE SERVE PARA COMER.
EU TENHO ORELHAS
QUE SÃO PARA ESCUTAR.
TENHO DUAS PERNAS
E TENHO DOIS BRAÇOS
QUE SERVEM PARA ANDAR
E PARA OS ABRAÇOS.

Textos para Alfabetização


A CARNAÚBA

A CARNAÚBA, PALMEIRA DO SERTÃO NORDESTINO,
TEM 1001 UTILIDADES. A MADEIRA DE SEU TRONCO,
QUE MEDE ATÉ 15 METROS DE ALTURA, É MUITO
PROCURADA PARA A CONSTRUÇÃO DE CASAS. A POLPA
DE SUA FRUTA É USADA NA FABRICAÇÃO DE UM TIPO
DE FARINHA. EXPORTADA PARA O MUNDO INTEIRO, A
CERA EXTRAÍDA DE SUAS FOLHAS GANHOU FAMA POR
SER MAIS RESISTENTE E TER UM BRILHO MAIS INTENSO.
FRUTAS COMO MAÇÃ E MANGA RECEBEM UMA CAMADA
DESSA CERA ANTES DE SEREM EXPORTADAS, EVITANDO-
-SE, ASSIM, QUE PERCAM ÁGUA. A CERA DE CARNAÚBA
TAMBÉM ENTRA NA COMPOSIÇÃO DO BATOM, DANDO-
-LHE RESISTÊNCIA AO CALOR, E FUNCIONANDO COMO
ISOLANTE ELÉTRICO EM CHIPS DE COMPUTADORES.
■ MARCELO DUARTE. O GUIA DOS CURIOSOS. SÃO PAULO:
COMPANHIA DAS LETRAS, 1999. P. 328-330.


O GATO E O RATO

O RATO RAJADO RÓI UM BOCADO DO QUEIJO
FURADO.
ESTÁ TÃO DISTRAÍDO QUE NEM VÊ O GATO
PINTADO BEM DO SEU LADO.
O RATINHO CORRE TANTO QUE QUASE PERDE
O CORAÇÃO NO CAMINHO.
MAS CHEGA BEM A TEMPO NO SEU BURACO:
MAIS UM POUQUINHO E ERA UMA VEZ UM
RATO…
■ ROSEANA MURRAY. NO MUNDO DA LUA.
BELO HORIZONTE: MIGUILIM, 1983. S.P.


VERDE QUE TE QUERO VERDE

HÁ PLANTAS CARNÍVORAS NO BRASIL? SIM. O
BRASIL TEM UMA GRANDE QUANTIDADE DESSAS
PLANTAS QUE ATRAEM, PRENDEM E DIGEREM… OS
INSETOS. SOMOS O SEGUNDO PAÍS EM NÚMERO DE
ESPÉCIES (O PRIMEIRO É A AUSTRÁLIA). O BRASIL
ABRIGA QUATRO GÊNEROS DE PLANTAS E MAIS
DE 100 ESPÉCIES ESPALHADAS PELO BRASIL. ELAS
VIVEM EM SOLOS ÚMIDOS, MAS, AO MESMO TEMPO,
ENSOLARADOS. OS PLANALTOS MERIDIONAL E
ATLÂNTICO, DO RIO GRANDE DO SUL ATÉ A BAHIA,
CONTÊM VÁRIAS REGIÕES FAVORÁVEIS A ESSES
VEGETAIS. CERTAS PORÇÕES DO LITORAL E DE
MONTANHAS TAMBÉM TÊM CARNÍVORAS.
■ MARCELO DUARTE. VERDE QUE TE QUERO VERDE. O
GUIA DOS CURIOSOS. SÃO PAULO: PANDA BOOKS, 2011. P. 276.


SABIÁ, LÁ NA GAIOLA

SABIÁ, LÁ NA GAIOLA
FEZ UM BURAQUINHO
VOOU,VOOU, VOOU, VOOU
A MENINA QUE GOSTAVA
TANTO DO BICHINHO
CHOROU, CHOROU, CHOROU, CHOROU
SABIÁ FUGIU DO TERREIRO
FOI CANTAR NO ABACATEIRO
E A MENINA VIVE A CHAMAR
VEM CÁ, SABIÁ, VEM CÁ
SABIÁ LÁ NA GAIOLA
A MENINA DIZ SOLUÇANDO
SABIÁ, ESTOU TE ESPERANDO
SABIÁ RESPONDE DE LÁ
NAO CHORES QUE EU VOU VOLTAR.
■ HERVÉ CORDOVIL E MÁRIO VIEIRA. SABIÁ LÁ NA GAIOLA.
BANDEIRANTE EDITORA MUSICAL LTDA. (ADDAF).

2 por folha4 por folha


HISTÓRIA DA ESCRITA

HÁ MILHARES DE ANOS, QUANDO OS HABITANTES DO PLANETA
AINDA MORAVAM NAS CAVERNAS E ALIMENTAVAM-SE DE FRUTAS,
RAÍZES, ERVAS E CARNE DE ANIMAIS QUE CAÇAVAM, A ESCRITA NÃO
EXISTIA E, TALVEZ, OS HOMENS MAL SOUBESSEM FALAR.
MAS, ASSIM COMO NÓS, ESSAS PESSOAS TINHAM NECESSIDADE
DE COMUNICAR O QUE PENSAVAM E SENTIAM.
ENTÃO, FAZIAM DESENHOS NAS PEDRAS DAS CAVERNAS.
HOJE SABEMOS QUE HÁ EM MUITOS LUGARES DO MUNDO,
INCLUSIVE NO BRASIL, CAVERNAS E ROCHAS COM DESENHOS E
PINTURAS DAQUELA ÉPOCA, PORÉM NÃO SABEMOS COM CERTEZA
O QUE QUERIAM EXPRESSAR COM ELES.

Publicidade